Ameaça Profunda

Elenco: Kristen Stewart, TJ Miller, Vicent Cassel, Jessica Henwick
Diretor: William Eubank

___________________

Filmes de sci-fi/terror em equipe, normalmente apresentam uma estética definida e reproduzida em grande escala ao longo dos anos no cinema: corredores longos e similares uns aos outros, vestimentas especiais para realizar algumas ações, uma tripulação com funções pré estabelecidas que vai morrendo um a um entre outros. O maior exemplo disso é Alien (1979), que estabeleceu Ripley como ícone de personagem feminino não estereotipado bem antes de virar algo recorrente em Hollywood. Em Ameaça Profunda, há uma tentativa de simular a atmosfera desses clássicos e de outros longas recentes, mas com alguns pequenos problemas.

Reprodução: 20th Century Fox

Ainda fazendo comparativo com o filme de 1979, um dos grandes pontos positivos do clássico , e que te faz gostar do longa, é a empatia criada com os personagens antes do caos degringolar. O ritmo não é tão acelerado e frenético, gerando tensão e expectativa do público para saber o que e quando vai acontecer algo. Não é o caso aqui. Nitidamente existe uma escolha do diretor William Eubank de impor um ritmo frenético desde o início, o que não é ruim. No entanto, essa conexão com os personagens que há em outros filmes, se perde por completo. No máximo, há uma empatia com Norah (Kristen Stewart), uma tentativa de Ripley subaquática, visto que o filme todo é ambientado dessa forma, enquanto o resto da tripulação é completamente descartado, do roteiro e do filme, com suas mortes. Há a tentativa de humanizar, seja pelo humor ou pelo sentimentalismo entre eles, contudo vazio e artificial.

Reprodução: 20th Century Fox

Entretanto, nem tudo é causa perdida. Há anos escuta-se que filmes com a temática subaquática são difíceis de se executar e de parecer natural, o que não é o caso. As cenas são muito bem feitas, com uma escala grandiosa nos cenários apresentados. Tudo bem que há algumas brechas fantasiosas, como os personagens poderem correr dentro da água a uma profundidade de 11 mil metros, mas nada que atrapalhe a experiência de quem assiste. Pelo contrário: tirando esse pequeno aspecto, a imersão no local é feita de maneira inteligente, em que o escuro e inúmeras outras adversidades aliadas às criaturas, fazem com que a a luta pela vida dos personagens seja bastante desesperadora a todo momento.

Reprodução: 20th Century Fox

Ameaça Profunda a primeira vista pode se parecer com mais um filme clichê e genérico como muitos que se viram por aí nos últimos tempos, mas acaba se provando como uma boa alternativa de entretenimento. Com referências a clássicos do cinema, e porque não dos livros, como Lovecraft, é no fim das contas uma experiência que pode valer a pena para alguns fãs do gênero. Por mais Norahs e Ripleys.

______________________________


3/5 – Bom


Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *